Rendimento da MicroGeração

nova-legislacao-micro-producao

Existem dois regimes de remuneração, o regime geral e o regime bonificado.

.

O regime remuneratório geral

No regime geral a potência de ligação está limitada a 50% da potência já contratada no contrato de compra de electricidade e a um máximo de 5,75 kW.

Sendo que o preço de venda de electricidade é igual ao preço de compra (actualmente 0,1143€ /kWh + IVA 5%).

.

O regime remuneratório bonificado

No regime bonificado a potência de ligação está limitada a 50% da potência já contratada no contrato de compra de electricidade e a um máximo de 3.68 kW.

Neste regime a potência total ligada a nível nacional está sujeita a um limite máximo que no ano de 2008 é de 10 MW. Este limite é sucessivamente incrementado em 20% ao ano, resultando a tabela seguinte:

Ano20082009201020112012201320142015
Limite de ligação [MW]101214.417.2820.74
24.8829.8635.83

Tabela 1: limite nacional anual para novas ligações.

.

Instalações registadas a partir da data em que seja atingido o valor limite de ligação para o ano decorrente, só poderão ter acesso ao regime geral.

O preço de venda da electricidade depende da fonte de energia utilizada para a produzir, e é para o ano de 2008 de 0.65 € / kWh para a energia solar, 0.455 € / kWh para a energia eólica, e 0.195 € / kWh para energia hídrica e biomassa.

Estes preços sofrem uma redução sucessiva de 5% por cada 10 MW de potência de ligação registada.

.

NOTA

A tarifa do regime bonificado nunca poderá ser menor à do regime geral (actualmente 0.1143 €/kWh).

No ano em que a instalação de microprodução é ligada à rede, e nos 5 anos seguintes, é garantido ao microprodutor o preço de venda em vigor na data de ligação.

Nos 10 anos seguintes, é garantido ao microprodutor o preço de venda em vigor a 1 de janeiro, de cada ano, para as novas instalações a ligar à rede. Após este período de 10 anos, é aplicada a tarifa do regime geral em vigor.

.

Exemplo de estimativa para um sistema de microgeração solar

Em primeiro lugar é preciso saber a potência total dos módulos instalados.

Neste exemplo assumiremos uma potência fotovoltaica instalada de 3.68 kW.

 

De seguida é necessário saber durante quantas horas se tem a potência de pico dos módulos fotovoltaicos. Para estipular este valor é preciso saber que um módulo não fornece a mesma potência durante todo o dia.

Ao amanhecer o módulo começará a produzir electricidade lentamente, debitando gradualmente mais energia conforme o sol sobe, chegando so seu máximo quando o sol está no seu ponto mais alto.

De tarde os módulos deixarão gradualmente de produzir energia até que ao anoitecer a produção cessa completamente.

O valor que é necessário para efeitos de cálculo é o que resulta da seguinte pergunta: “durante quantas horas é que os módulos teriam de fornecer a sua máxima potência para se obter a energia que normalmente produzem ao longo de um dia?.

Em Portugal, assume-se que, em média, ao longo do ano, para uma instalação fixa, os módulos fornecem a sua máxima potência durante 4 horas diárias.

Sabendo qual a potência instalada do sistema, e sabendo durante quantas horas esta potência é fornecida por dia, basta multiplicar a potência instalada pelo número de horas de produção diária para obter a produção de energia diária.

[Potência Instalada] × [Nº de Horas de Produção Diária] = [Produção Diária de Energia]

.

No caso do nosso exemplo: [3.68 kW] × [4 h] = 14.72 kWh

  • Para estimar a produção anual basta multiplicar este valor por 365 dias.No caso deste exemplo: [12 kWh] × 365 = 5372.8 kWh
  • Para estimar a remuneração anual deste sistema basta agora multiplicar a produção anual pelo preço de venda do kWh.A 0.65 €/kWh teremos então: [5372.8 kWh] × [0.65 €/kWh] = 3492.32 €

.

Notas Importantes

O exemplo apresentado é uma estimativa simples para uma instalação fixa, sendo possível aumentar consideravelmente a produção com um suporte móvel para seguir a posição do Sol durante o dia.

O número de horas de sol varia de Norte para Sul do país e não é tida em conta a eficiência do inversor (tipicamente entre 95% e 98%) nem as perdas nos cabos (tipicamente <1%). De notar também que os rendimentos provenientes da microgeração estão isentos de IRS até aos 5000€.