tramsmissao-distribuicao-energia-eletrica

A criação de um novo regime para a miniprodução, contemplando um novo nicho de mercado entre os 150 e os 250 KW, é uma das expectativas governamentais para 2010, no sector da energia solar.

A afirmação foi feita ontem pelo director dos Serviços Renováveis, Eficiência e Inovação da Direcção-Geral da Energia e Geologia (DGEG), João Bernardo, durante o evento Energia 2020, promovido pela Universidade de Lisboa e a Ordem dos Economistas.

Outras prioridades passam pela manutenção ou melhoria do enquadramento fiscal para a área do solar e pela revisão do regime da microgeração, assim como um novo modelo de financiamento para o programa de incentivo ao Solar Térmico, que poderá passar pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), acrescentou o responsável.

Presente no Energia 2020, João Bernardo lembrou ao auditório os quatro pilares em que assenta a estratégia pública para a energia solar: solar fotovoltaico, microgeração, solar térmico e o fotovoltaico de concentração. Não obstante, o responsável reiterou que «é necessário investir na credibilidade do sector».

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

1 COMENTÁRIO

  1. E esta coisa anda ou não anda? o “mês de férias” é o mês de Agosto! Há pessoal que quer trabalhar, nem todos são como este péssimo governo!

    Cumprimentos ao pessoal das renováveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui