Maior central solar da América Latina será construída em Piauí, no Brasil

usina-solar-nova-olinda

A empresa italiana de geração de energia, Enel S.p.A, através da sua subsidiária Enel Green Power Brasil Participações Ltda anunciou a construção da maior central da América Latina.

A maior central solar da América Latina chamada de “Nova Olinda”, será construída no município de Ribeira do Piauí, no Brasil. A Nova Olinda terá 292 megawatts de capacidade e ocupará 690 hectares de área.

Situada a 377 quilómetros de Teresina e situada na microrregião do Alto Médio Canindé, a Nova Olinda será capaz de gerar mais de 600 GWh por ano, o suficiente para abastecer cerca de 300.000 famílias brasileiras.

A central Solar Nova Olinda evitará ainda a emissão aproximada de 350.000 toneladas de dióxido de carbono na atmosfera.

A central, que será construída numa zona com altos níveis de radiação solar e que terá um custo de quase 1 bilhão de reais, é uma grande notícia para a população local e para todo o Brasil já que a aposta nas energias renováveis começa gradualmente a concretizar-se e a ser uma realidade.

A Nova Olinda é o terceiro grande projeto solar da empresa italiana no Brasil. A Enel é a única empresa que está a dar início à construção dos parques fotovoltaicos. A Nova Olinda foi ganha através de um leilão realizado em agosto do ano passado. A Enel demonstrou ainda a vontade de continuar a investir no setor da energia no país.

A Enel tem conseguido autofinanciar-se e já concluiu uma central de 11 megawatts, viabilizada após uma licitação do governo de Pernambuco, em 2013 e está ainda a construir, na Bahia, uma central – Ituverava, com capacidade para 254 megawatts. São atualmente 546 o número de megawatts que a empresa tem em curso no Brasil.

Outros empreendedores, brasileiros e internacionais, têm pedido um prazo extra para implementar as suas centrais junto do governo, já que se deparam com a subida do câmbio e a falta de fornecedores locais, o que impede o financiamento pelo Banco de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES).

O governador de Piauí, Wellington Dias, antes do leilão desta gigante central decorrer acompanhou os investimentos em energia na região e realizou viagens a Itália e Alemanha para conhecer projetos de energia solar. A juntar-se este projeto estão outros que vão ajudar a desenvolver Piauí.

O Grupo Votorantin está a levar a cabo um projeto de energia eólica e estão ainda presentes no município os Grupo Tomazini, Terracal, Ouro Branco e Portugal Gás e Petróleo que estão a fazer avultados investimentos e, consequentemente, a criar mais emprego.

Mas os investimentos não se ficam por aqui. Os grupos Aurora, Alfa e Minasmel, todos focados na produção de alimentos estão a caminho do município bem como a empresa Budny (de tratores e implementos) e uma nova base da Vickstar, em Parnaíba.

COMPARTILHAR