BAT o Aerogerador flutuante para áreas remotas

buoyant-airborne-turbine

A BAT, de Buoyant Airborne Turbine, é uma espécie de turbina eólica flutuante e móvel que pode ser usada para levar energia onde ela for mais necessária.

Segundo as estatísticas mais recentes da ONU, um em cada cinco seres humanos não tem acesso a energia elétrica de forma estável e contínua. Para combater este flagelo, a Altareos desenvolveu a BAT, um sistema móvel de geração de energia.

A turbina eólica flutua no ar e está ligada a sistemas de monitorização do clima para alinhar o seu posicionamento de forma mais eficiente. Os investigadores afirmam ainda que este sistema pode operar até mil pés de altitude, o que equivale a três vezes mais do que uma turbina convencional.

buoyant-airborne-turbine-3

A inovação está numa fase de testes comerciais que devem durar 18 meses em Fairbanks, no estado do Alasca. A fase posterior será levar a BAT para lugares onde não haja energia elétrica ou onde ainda predomine a utilização de fontes poluentes, como o gasóleo.

Cada BAT tem capacidade para abastecer cerca de 12 casas, explicam os ex-alunos do MIT que criaram o sistema. A turbina pode ainda ser transportado e instalado de forma simples, sem serem necessários guindastes, torres ou furos no subsolo.

O protótipo da BAT realizou testes com sucesso e promissores no Maine, no estado da Nova Inglaterra, nos EUA.

buoyant-airborne-turbine-2

A cidade de Fairbanks, no Alasca, receberá a BAT com um investimento total de U$1,3 milhões, este projeto foi realizado pela empresa que distribui energia nessa região.

Esta parceria foi importante para que a startup Altareos iniciasse os testes reais. A fase de demonstração comercial deve durar 18 meses.

Após isso, o objetivo é expandir e levar o aerogerador flutuante para lugares remotos onde a energia elétrica não está acessivel, como por exemplo algumas regiões em África, ou onde se utilizem formas de produção de energia elétrica poluentes, como o caso dos combustiveis fósseis.

Segundo os ex-alunos do MIT que fundaram a startup e são responsáveis pela tecnologia, a BAT tem capacidade suficiente para abastecer 12 casas.

Ben Glass, CEO da Altaeros, afirmou em entrevista ao site Mother Nature Network que o acesso e a instalação são muito mais fáceis. “O BAT é transportado e instalado sem a necessidade de guindastes, torres ou fundações no subsolo – fatores que muitas vezes levam ao cancelamento de projetos eólicos.

COMPARTILHAR