bateria solar box MIT

Nos dias de hoje, ainda desperdiçamos grande parte dos recursos naturais. A verdade é que não conseguimos armazenar o que captamos do vento, do sol e da água, com uma eficiência elevada.

Apesar disso, a MIT pretende oferecer uma resposta sobre o armazenamento energético que passa por baterias inovadoras. E, vieram demonstrar uma bateria solar que tem a capacidade de abastecer uma cidade pequena.

Bateria solar inovadora com a capacidade de fornecer energia a uma cidade

Segundo o professor do Departamento de Mecânica e Engenharia do MIT, Asegun Henry:

Mesmo se quiséssemos operar a rede de energia renovável agora, não poderíamos, porque o utilizador precisaria de turbinas movidas a combustíveis fósseis para compensar o facto de que a oferta renovável não pode ser fornecida conforme a procura. Estamos a desenvolver uma nova tecnologia que, se for bem sucedida, resolverá este problema mais importante e crítico no que toca a energia e mudanças climáticas, o problema de armazenamento.”.

Por outras palavras, os cientistas do MIT desenvolver um projeto que permite guardar a energia renovável através da energia eólica e energia solar. Este sistema será utilizado para fornecer energia constantemente numa cidade de pequenas dimensões (cerca de 100 mil residências), isto é, a cidade não será abastecida somente quando o sol estiver alto ou o vento estiver forte.

O sistema do MIT armazena energia elétrica na forma de calor em tanques de silício fundido e a energia armazenada tem o objetivo de voltar a injetar a energia produzida de volta para a rede, sem haver desperdício. Para obter esta bateria solar de silício, os cientistas utilizam uma mistura de altas temperaturas com tecnologia de ponta.

Este projeto não foi colocado em prática em grandes escalas, mas os investigadores estimam que este sistema custaria metade do que o armazenamento hidroelétrico bombeado. Desta forma, ficaria mais acessível do que as baterias de iões de lítio.

Tecnologia

No projeto “bateria solar”, os cientistas misturam diferentes soluções tecnológicas. Apesar disso, a tecnologia base é a Tegs-MPV conhecida como “Rede de Armazenamento de Energia Térmica-Multi-Junção. Para armazenamento da energia térmica, os cientistas usam células solares fotovoltaicas em “cascata” termodinâmica e sal derretido, sendo possível alcançar temperaturas a 2000 °C em tanques de silício.

Sol numa Caixa -Tecnologia da Bateria Solar MIT
Sol numa Caixa -Tecnologia da Bateria Solar MIT

O silício permite a emissão de luz tão intensa que permite ser utilizada em painéis fotovoltaicos para produzir energia, resultando num sol “artificial”. E, quando se pretender recuperar a energia armazenada, o silício é transferido de um tanque para outro e garante que irá manter o material mais quente 400 °C.

Afinal, como funciona a bateria solar?

De acordo com Asegun Henry, “um dos nomes que as pessoas começaram a chamar ao nosso conceito é ‘sol numa caixa’, atribuído pelo meu colega Shannon Yee da Georgia Tech.

É basicamente uma fonte de luz extremamente intensa contida numa caixa que aprisiona calor”.

Para tornar este sistema com uma alta eficiência energética, os investigadores afirmam que têm de construir um tanque de 10 metros de largura.

Sol numa Caixa - Bateria Solar MIT
Sol numa Caixa – Bateria Solar MIT

Por sua vez, para o material seria necessário incorporar a grafite. Mas, a elevadas temperaturas, existem algumas dúvidas se o silício reagiria adequadamente com o grafite para produzir carboneto de silício. Alguns investigadores acreditam que pudesse corroer o tanque.

Para acabar com as dúvidas, os cientistas da MIT testaram essa possibilidade e o silício criou um revestimento fino e protetor em vez de corroer o tanque. Assim, o tanque estaria isolado e permitia mantê-lo numa temperatura fria de até 1900 °C.

O segundo tanque, denominado “quente”, é interligado com uma série de tubos expostos a elementos de aquecimento. O excedente que entra no sistema é transformado em calor nos tubos que interligaram os tanques através do efeito Joule. Aí, o silício líquido é bombeado do tanque “frio” para o tanque “quente”, absorvendo o aquecimento da energia térmica e chegando até 2400 °C.

O silício é acionado por um tipo de motor em que as células solares utilizam a luz branca para produzir eletricidade, quando a procura de eletricidade da rede se torna elevada novamente.

Sistema importante para o futuro

Em contraste com a hidroelétrica bombeada, o design deste sistema é geograficamente ilimitado. Deste modo, pode ser instalado em qualquer local, independentemente da paisagem de um local e é um método mais económico de armazenar energia.

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

5
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

5 Comentários da discussão
0 Respostas aos comentários
5 Seguidores
 
Comentário mais ativo
Discussão mais ativa
5 Comentários dos autores
  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Wellington

O NORTE E NORDESTE PRECISA DE INVESTIMENTOS EM ENERGIA SOLAR NAS REDES PUBLICAS NOS HOSPITAIS? PRESÍDIOS, ESCOLAS, CRECHES, PRAÇAS E PARA O POVO DO SERTÃO E AGRESTE. O GOVERNO FEDERAL DEPUTADOS SENADORES E MINISTROS DEVERIAM INVESTIR MÁS É MELHOR NO POVO BRASILEIRO . FAZENDO MAIS COM MENOS . BASTA DE CORRUPTOS BASTA DE PROPRINAS.

Ismael prado

Concordo plenamente ..muito bom o progeto

José Euclides da Silva

Parabéns ótima ideia com serteza vai fazer a diferença..

Rafael

Na verdade, a eficiência do armazenamento em baterias não é o maior problemas do sistema de armazenamento, mas o custo/MWh. Uma pena que o artigo introduziu a parte técnica mas nao citou os benefícios/atratividade econômica.

Pedro ||

Já aguardo o funcionamento desta bateria