energia-solar-sol

A vantagem da utilização de energias renováveis é evidente. Saiba como funciona uma das formas de aproveitamento da energia solar, os sistemas fotovoltaicos, e acompanhe o desenvolvimento e as dificuldades da sua aplicação em Portugal.

A descoberta do efeito fotovoltaico remonta a 1839, sendo atribuída a Edmund Bacquerel. No entanto, só em meados dos anos 50, nos Laboratórios Bell e RCA, foram desenvolvidas as tecnologias fotovoltaicas actualmente empregues.

Funcionamento dos sistemas fotovoltaicos

Nos sistemas fotovoltaicos a radiação solar é convertida em energia eléctrica por intermédio dos chamados semicondutores, que são configurados em elementos denominados células fotovoltaicas.

Os semicondutores feitos de silício são os mais usados na construção das células e o seu rendimento possível razoável é, actualmente, de cerca de 25-30%.

Uma vez que cada célula produz uma corrente contínua de intensidade relativamente fraca, procede-se à sua associação para obter, após encapsulamento, um conjunto denominado módulo fotovoltaico.

O agrupamento de módulos, colocados numa mesma estrutura de suporte, forma um painel. Quando incide luz solar com energia suficiente sobre estas estruturas, produz-se uma corrente de electrões, obtendo-se assim energia eléctrica utilizável.

Impactos ambientais da energia solar fotovoltaica

Em termos de produção de electricidade, os painéis fotovoltaicos devolvem a energia empregue na sua construção em cerca de três anos, e emitem, relativamente a uma central térmica convencional, cerca de 20% menos CO2 para a mesma quantidade de electricidade produzida.

Os impactos ambientais mais importantes ocorrem nas fases de produção, construção e desmantelamento dos sistemas.Na construção de células fotovoltaicas utilizam-se diversos materiais perigosos para o ambiente e saúde e é consumida uma quantidade apreciável de energia, a que está ligada a emissão de poluentes atmosféricos, nomeadamente de gases de estufa.

Alguns tipos de células (ex. CdTe e CIS) utilizam matérias primas raras, o que, em caso do fabrico em grande escala, pode contribuir para a deplecção de recursos naturais. São ainda produzidos resíduos sólidos, alguns dos quais perigosos, requerendo um manuseamento e deposição controlados.

A magnitude dos impactes associados à implementação deste tipo de sistemas depende de factores como a sua dimensão, eficiência e natureza da área de implantação.

Um dos principais impactes da instalação de grandes parques fotovoltaicos resulta da ocupação de solo e das alterações causadas aos ecossistemas presentes e à paisagem em termos visuais. Os sistemas de pequena dimensão, sobretudo quando instalados em telhados ou fachadas, têm impactes visuais reduzidos.

O desmantelamento dos painéis fotovoltaicos pode representar um risco para o ambiente, devido à perigosidade dos materiais que os constituem.

Vantagens e desvantagens da energia solar fotovoltaica

As principais vantagens atribuídas aos sistemas fotovoltaicos são a facilidade de manutenção (apenas é necessário proceder-se periodicamente à sua limpeza); a possibilidade de armazenar a electricidade gerada em baterias; os impactes relativamente reduzidos, principalmente na fase de operação e a contribuição para a redução da dependência externa, em termos de importação de combustíveis fósseis.

Em relação às desvantagens referem-se os custos de implementação associados; as condicionantes inerentes à natureza da energia solar – as alterações de luz ao longo das 24 horas, a presença de condições climatéricas desfavoráveis (chuva, nuvens) e o sombreamento causado por árvores ou edifícios – que reduzem o output do sistema; a necessidade de manutenção e substituição de baterias e os impactes negativos durante as fases de produção, construção e desmantelamento.

A energia fotovoltaica em Portugal

Capacidade instalada e aplicações

Na União Europeia, Portugal é, depois da Grécia e da Espanha, o país com maior potencial de aproveitamento de energia solar.

Com mais de 2300 horas/ano de insolação na Região Norte, e 3000 horas/ano no Algarve, o nosso país dispõe de uma situação privilegiada para o desenvolvimento deste tipo de energia, que não se tem, no entanto, verificado.

Além do elevado investimento inicial, a insuficiência e falta de adequabilidade dos incentivos que têm vindo a ser atribuídos, a carência de regulamentos específicos e de normas de qualidade aplicadas aos instaladores e aos equipamentos, têm dificultado o desenvolvimento das aplicações fotovoltaicas no nosso país.

Na figura 1 encontra-se representada a evolução da capacidade de energia fotovoltaica instalada, por tipo de aplicações, entre os anos 1984 e 2000.

Energia Solar Fotovoltaica GraficoFigura 1. Evolução da capacidade de energia fotovoltaica instalada entre 1984 e 2000

No final de 2000, a capacidade total instalada de energia fotovoltaica era de cerca de 1000 kWp (0,1% do nosso parque electroprodutor).

Até 1997 os sistemas destinavam-se quase exclusivamente a aplicações autónomas (electrificação de localidades rurais remotas, telecomunicações, bombagem de água, iluminação).

Este sector é ainda predominante: 52% dos sistemas instalados no sector doméstico e 20% no sector dos serviços (sobretudo na área das comunicações).

Nos últimos três anos, verificou-se um aumento considerável das aplicações com ligação à rede em edifícios, que correspondem a 26% da potência total instalada, para o que muito contribuiu o Programa Sunflower da BP.

Neste sector, os sistemas fotovoltaicos podem fornecer electricidade aos edifícios, contribuir para a sua iluminação e ajudar a controlar a ventilação.

Entre as aplicações da tecnologia fotovoltaica no nosso país, podem referir-se as seguintes:

  • abastecimento de energia à localidade de Vale da Rosa, no Concelho de Alcoutim, que dista cerca de 5 km das aldeias mais próximas (P = 2 kW) (Ano instalação: 1984-85);
  • sinalização marítima (bóias e faróis) (P = 10 kW) (Ano instalação: 1989-96);
  • demonstração (bombagem de água, iluminação) no INETI, em Lisboa (P = 2 kW) (Ano instalação: 1989);
  • electrificação e iluminação pública em Castro Daire (P = 20 kW) (Ano instalação: 1990-91);
  • demonstração (bombagem de água, iluminação) na FCT/UNL, na Caparica (P = 15 kW) (Ano instalação: 1992);
  • torres de vigia florestal (P = 9 kW) (Ano instalação: 1993-97);
  • aplicação de um sistema com ligação à rede de baixa tensão, num edifício da EDP Distribuição, em Setúbal (P = 10 kW) (Ano instalação: 1993);
  • retransmissores de TV (sistemas híbridos) na região Centro (P = 33 kW) (Ano instalação: 1993-98);
  • bombagem de água para uma cooperativa em Palmela (P = 10 kW) (Ano instalação: 1995);
  • retransmissores de telefones celulares (P = 9 kW) (Ano instalação: 1996-97);
  • parquímetros em Lisboa (P = 7 kW) (Ano instalação: 1996-97);
  • aplicação de um sistema com ligação à rede de baixa tensão, num edifício da EDP em Faro (P = 5 kW) (Ano instalação: 1997);
  • estações de serviço da BP (14 sistemas ligados à rede) (P = 250 kW) (Ano instalação: 1998-2000);
  • combinação da energia fotovoltaica com as energias eólica e diesel (P = 42 kW / 55 kW / 3×15 kVA), para fornecer electricidade a cinco localidades do município de Ourique (Ano instalação: 2000).

Perspectivas Futuras da energia solar fotovoltaica

De acordo com a Directiva Comunitária relativa à produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis (a publicar), Portugal deverá conseguir, em 2010, produzir 1200 MW de energia eléctrica a partir de fontes renováveis que não a energia eólica e as mini-hídricas, o que representa uma multiplicação por 100 da actual capacidade instalada em relação a “outras energias renováveis”, designação onde se inclui a fotovoltaica.

Se se mantiver a taxa actual de crescimento anual deste sector (25%), em 2010 Portugal conseguirá apenas que este contribua com cerca de 10 MWp.

Apesar de hoje em dia a energia solar fotovoltaica ser utilizada principalmente em sistemas independentes para fornecer electricidade a localidades rurais remotas, em equipamentos de bombagem para irrigação agrícola, e em sistemas de telecomunicações, a tendência futura é que as aplicações com ligação à rede eléctrica pública se imponham, nomeadamente no que diz respeito à integração dos sistemas fotovoltaicos em edifícios, devido ao elevado índice de cobertura da rede eléctrica.

Prevê-se ainda o aumento do número de sistemas integrados, à semelhança do que está a ser desenvolvido para a Federação Portuguesa de Futebol, concretamente para o centro de estágio das selecções nacionais em Sintra, onde se integra a utilização de energia fotovoltaica e de biomassa.

O futuro do aproveitamento da energia fotovoltaica em Portugal dependerá, entre outros aspectos, da criação de legislação própria para as suas aplicações, nomeadamente para a agilização do processo de licenciamento, regulamentação da ligação à rede de baixa tensão e criação de um tarifário diferenciado; da certificação de instaladores e equipamentos; da criação de uma rede de assistência aos sistemas instalados e da aposta que for feita na investigação e no desenvolvimento tecnológico.

Bibliografia

Estrela, A. (2001). Energias renováveis – que futuro? AEP Ambiente, 49: 16-24.

Gonçalves, H. (2001). Desenvolvimento das energias renováveis em Portugal. AEP Ambiente, 49: 4-5.

Paes, Pedro S. (2001). Energia Solar Fotovoltaica: Breve Panorâmica da Situação em Portugal; Workshop Energia Solar Fotovoltaica; Lisboa; 12 de Julho de 2001.

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

5 COMENTÁRIOS

  1. Olá boa noite
    Instalei em minha casa 3 painéis e efetuei a ligação dos referidos a uma tomada com terra que tinha na casa já estão instalados desde Outubro de 2015 e até ao momento não teve qualquer redução na fatura da luz. terei algum problema na instalação? o contador é digital Obrigado pela ajuda

  2. Olá,
    Li seu texto sobre energia fotovoltáica e fiquei com uma dúvida. Conforme descrito a energia é gerada pela incidência de luz na placa solar. Quando se cita Luz, necessariamente seria a Luz solar ou a Luz proveniente de uma lampada também seria capaz de gerar a Luz necessária para criar energia?

    sds,
    Vitor

    • Vitor, é fácil notar que a utilização da luz do sol traria mais rentabilidade. Não faz sentido utilizar eletricidade para gerar eletricidade, nao é? Logo, as celulas fotovoltaicas funcionam exclusivamente com a incidência da luz solar que passar a ser convertida em eletricidade no fim do processo.

  3. Prezados,

    Esta fonte de energia solar é a nossa verdadeira matriz energética. O Brasil é um país tropical portanto possui subsídios suficientes para esta energia.

    Esta energia é sustentável.Esta é a nossa energia.
    At.

    Helder Diniz Silva
    Engenheiro Eletricista e de Telecomunicações

  4. oi na Empresa a onde trabalho tem um custo muito alto de energia tarbalho na area quimica
    e estamos com varios projetos inclusive de de economizar e nos preocupamos muito com mei ambiente gostaria de saber quais os beneficil deste produto em nossa empresa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui