Hidrogénio Renovável

Repsol e Navantia Seanergies exploram oportunidades na geração de hidrogénio renovável

  • A Fábrica de Turbinas da Navantia em Ferrol iniciará uma linha de produção de eletrolisadores.
  • A Repsol contribuirá com as suas capacidades industriais para o desenvolvimento de toda a cadeia de valor do hidrogénio renovável e promoverá a sua utilização em diferentes setores.
  • As duas empresas assinaram um acordo de colaboração na presença do Vice-Presidente da Junta da Galiza e Conselheiro Regional da Economia e Indústria, Francisco Conde, e do Secretário-Geral da Indústria e PMEs do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo, Raül Blanco, entre outros representantes institucionais.
  • Ambas as entidades são promotoras do consórcio SHYNE (Rede Espanhola de Hidrogénio), o maior consórcio em Espanha para promover o hidrogénio renovável com o objetivo de promover a descarbonização da economia através desta energia do futuro, que é fundamental para a transição energética.

Repsol e Navantia Seanergies parceiras no hidrogénio renovável

Hidrogénio Renovável - Repsol e Navantia Seanergies

A Repsol e a Navantia Seanergies, a divisão de energia renovável da Navantia, vão explorar em conjunto oportunidades de negócio no campo da produção de hidrogénio renovável.

Tomás Malango, Diretor de Hidrogénio da Repsol, e Javier Herrador, Diretor de Navantia Seanergies, assinaram o acordo de colaboração na presença de Francisco Conde, Vice-Presidente da Junta de Galicia e Conselheiro Regional da Economia e Indústria; Raül Blanco, Secretário-Geral da Indústria e PMEs do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo; Juan Abascal, Diretor Executivo da Transformação Industrial e Economia Circular da Repsol; e Ricardo Domínguez, Presidente da Navantia.

A assinatura teve lugar na Fábrica de Turbinas de Navantia em Ferrol, um centro que desempenhará um papel fundamental neste acordo. As duas empresas concordaram em reunir os seus conhecimentos e esforços para o desenvolvimento industrial do hidrogénio renovável.

Por um lado, a Navantia Seanergies anunciou o arranque de uma linha de produção de eletrolisadores na fábrica de Ferrol. Por outro lado, a Repsol irá promover a instalação deste equipamento para a produção de hidrogénio renovável, no seu caminho para liderar este mercado na Península Ibérica; apoiando ainda o cumprimento dos seus objetivos de capacidade nacional e internacional, fixados em 1,9 GW em 2030.

Desta forma, ambas as entidades procuram posicionar Espanha como uma referência internacional na produção de hidrogénio renovável, contribuindo assim para o reforço da indústria, a criação de emprego de qualidade e o desenvolvimento económico do país.

Juan Abascal, Diretor Executivo da Transformação Industrial e Economia Circular, declarou que “na Repsol estamos convencidos de que iniciativas como esta são essenciais para acelerar a implantação da economia do hidrogénio em Espanha e na Europa, a partir de uma posição de liderança. Além disso, também reforçamos o nosso empenho na transformação da indústria através do desenvolvimento de capacidades associadas a tecnologias-chave para alcançar a neutralidade climática”.

“Navantia Seanergies está empenhada em colaborar com empresas líderes no campo do hidrogénio, um vetor energético que oferece enormes possibilidades de descarbonizar a economia e contribuir para o crescimento sustentável a nível nacional e europeu. O fabrico de eletrolisadores para produzir hidrogénio é uma nova oportunidade de negócio com grande potencial para a nossa Fábrica de Turbinas”, afirmou Javier Herrador, diretor da Navantia Seanergies.

A Repsol é atualmente o principal produtor e consumidor de hidrogénio na Península Ibérica. O hidrogénio renovável é um dos pilares da sua transformação, chave para o seu objetivo de atingir zero emissões líquidas até 2050. A empresa multienergética tem uma estratégia de hidrogénio renovável que prevê a implementação de projetos ao longo da cadeia de valor, com um investimento previsto de 2,549 milhões de euros até 2030.

A Navantia Seanergies desenvolve a sua atividade em torno de dois eixos principais: infraestruturas para parques eólicos offshore e o desenvolvimento do hidrogénio como vetor energético.

Neste último campo, a Navantia Seanergies procura tornar-se uma empresa de referência no campo da descarbonização do transporte marítimo, oferecendo soluções de propulsão de baixas emissões (a curto e médio prazo) e zero emissões a longo prazo, estabelecer-se na cadeia de valor do hidrogénio, através, entre outros, do fabrico de componentes (como os eletrolisadores, um elemento-chave para assegurar o desenvolvimento desta tecnologia), e da industrialização de instalações de geração, quer em ambiente costeiro ou offshore.

No último ano, a Fábrica de Turbinas da Navantia desenvolveu um processo de modernização e digitalização dos processos de produção com a implementação de um modelo de Fábrica Inteligente que lhe permitirá melhorar a sua eficiência e competitividade.

Este projeto representa uma oportunidade para destacar a sua experiência e elevado nível de qualificação no âmbito das grandes montagens e da maquinaria, e para avançar na sua incorporação no desenvolvimento do hidrogénio, com expectativas de crescimento muito acima das da maioria dos setores industriais.

Este acordo vem juntar-se a outras colaborações entre a Navantia e Repsol no campo da descarbonização e das energias renováveis. Juntos já estão a trabalhar na evolução do desempenho de novos combustíveis líquidos com uma pegada de carbono baixa (biocombustíveis avançados e combustíveis sintéticos) desenvolvidos pela Repsol, a serem testados nos motores fabricados pela Navantia na sua Fábrica de Motores em Cartagena; bem como no quadro da sustentabilidade no âmbito dos compromissos ambientais, sociais e de governação empresarial (ESG) que as duas multinacionais estão a promover.

Ambas as empresas estão também ligadas no âmbito da iniciativa SHYNE, o consórcio multissetorial, liderado pela Repsol, que foi apresentado a 19 de janeiro e que reúne um total de 33 empresas, associações, centros tecnológicos e universidades para promover a descarbonização da economia através do hidrogénio renovável, na qual Navantia assume um papel relevante enquanto promotora, impulsionando o setor naval para promoção desta tecnologia.

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui