Posto abastecimento combustível Shell

Cada carro movido a combustíveis fósseis – gasolina ou diesel – não vendido, significa uma perda de 500€ para as petrolíferas, o que por sua vez, é um ganho de 500€ para as empresas comercializadoras de eletricidade!

O estudo feito pelo Bank of America Merryl Lynch, veio concluir, que a mudança de paradigma nas vendas de carros novos a combustão por carros novos elétricos implica uma redução nas petrolíferas de 500€ anuais por cada venda, quantia semelhante ao ganho que as empresas de eletricidade recebem.

Pegando no exemplo do Audi Q5, para o todo elétrico Audi E-Tron, leva a uma perda para as petrolíferas de cerca de 450libras esterlinas (cerca de 500€), enquanto isso, as empresas de eletricidade vêem entrar 430 libras (cerca de 480€), devido ao aumento do consumo de eletricidade.

Automóvel elétrico - Audi E Tron Quattro
Automóvel elétrico – Audi E Tron Quattro

O relatório indica ainda que esta transição para os veículos elétricos leve a uma diminuição dos lucros provenientes do marketing das petrolíferas, que representam cerca de 13% do lucro dessas empresas. E isso dever-se-á à falta de clientes nos postos de combustível, onde se vendem cafés ou exibe publicidade.

Será a “morte” dos postos de abastecimento de combustível?

Nesse sentido, o relatório considera-se que os postos de combustível tradicionais estão a passar por um mau período, pois o novo ecossistema elétrico está a ser batizado de “modelo smartphone”. Ou seja, carrega-se em casa, o que faria com que o carregamento rápido fora de casa seja desnecessário (e mais caro), além de que este tipo de carga ameaça a vida útil da bateria.

Mais, a maioria dos trajetos diários raramente excedem a autonomia dos carros elétrico, logo os consumidores acham mais conveniente carregar em casa, além de que é mais barato carregar durante a noite, aproveitando as horas de tarifa reduzida.

Esta é assim a justificação para que as empresa dedicadas à extração e refinaria de petróleo começam a mudar o seu modelo de negócio, apostando nas “Novas Energias”, para assim conseguirem suprimir os 90% de perdas devido à transição para veículos elétricos por parte dos consumidores.

O Estado também perde receita

Mas não serão apenas as petrolíferas a perder com esta mudança de paradigma na aquisição de veículos novos. O Estado também perde dinheiro, sendo que o estudo indica uma estimativa de perda de receita de 1100 libras esterlinas (cerca de 1200€) por cada veículo vendido.

Sendo que 60% das perdas se justificam pela ausência de impostos provenientes da gasolina/diesel não vendido, 25% do crédito disponível à aquisição do novo carro elétrico e 10% do imposto de circulação mais reduzido, ou inexistente para veículos “limpos”.

E se os governos eliminarem todos os subsídios de incentivo à aquisição dos veículos elétricos, a perda seria de 800 libras esterlinas (cerca de 900€).

Recomendamos: Veículos elétricos: 10 carros com maior autonomia no mercado atual

Por outro lado, há quem saia a ganhar, como as seguradoras, que viram aumentar a sua receita em 240 libras esterlinas (cerca de 270€) devido ao aumento do valor de aquisição do veículo e aos fornecedores de pontos de carregamento que receberam mais 90 libras esterlinas (cerca de 100€).

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

2 COMENTÁRIOS

  1. Não perdem. Deixam de ganhar as petrolíferas para ganharem outras empresas.
    Tempos de mudança apesar da inércia provocada pelos interesses instalados.

  2. Na verdade o estado não perde nada, eles na verdade ganham. O dinheiro que economizamos pagando menos impostos no “petróleo” nos pagamentos na pizzaria, o que gera mais vendas, mais empregos e mais impostos para o governo. Mas esse estudo essas Cia nunca fazen né?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui