Instalação de painéis solares fotovoltaicos

Até 2023 deverá entrar em vigor a obrigatoriedade de instalação de painéis solares nos novos edifícios, bem como nos que forem renovados.

O objetivo é baixar os preços da energia.

Obrigatoriedade de instalar painéis solares será realidade até 2023

A Organização Zero, cita um relatório do Oeko-Institut e da Rede de Ação Climática Europeia, em que indica que até 2023 entrará em vigor a obrigatoriedade de instalar painéis solares em edifícios novos ou renovados.

Este será um ponto-chave que irá estar em discussão entre os decisores políticos, no âmbito da revisão da Diretiva Europeia para o Desempenho Energético dos Edifícios.

Segundo o relatório o aproveitamento da energia solar a nível da União Europeia (UE) tem de ser potenciado o mais rapidamente possível através da obrigatoriedade de instalação de painéis solares nos novos edifícios e nos edifícios renovados”.

…obrigatoriedade de instalação de painéis solares nos novos edifícios e nos edifícios renovados

Uma obrigatoriedade que irá ajudar a baixar as contas de energia, aumentar a segurança energética e ajudar a União Europeia a cumprir com os objetivos propostos para as alterações climáticas.

Revisão da Diretiva Europeia para o Desempenho Energético dos Edifícios

Instalação Painéis Solares Fotovoltaicos
Instalação Painéis Solares Fotovoltaicos

Pode-se ler no relatório que “A Diretiva Europeia para o Desempenho Energético dos Edifícios (EPBD) está atualmente a ser revista, e, por isso, a obrigatoriedade de painéis solares tem de ser um ponto-chave de discussão para os decisores políticos, com o objetivo da medida ser adotada até meados de 2023”.

O objetivo é que os Governos encontrem “fontes alternativas de energia, devem aproveitar a oportunidade para envolverem os cidadãos, comunidades e empresas no aproveitamento do grande potencial de energia solar nos edifícios na Europa, e de acelerar o fim dos combustíveis fósseis caros e perigosos”.

A Zero dá ainda a conhecer que, esta “obrigatoriedade” para a energia solar em edifícios solares novos ou renovados na União Europeia, é recomendada que seja adotada até ao verão de 2023. Um investimento que deverá ser realizado tanto por privados ou públicos, a partir de 2027.

Já existem Estados-Membros com esta obrigação aquando da aprovação dos projetos de construção, mas o que agora se vai estabelecer, é uma “abordagem harmonizada”.

Até porque, em Portugal ainda não existem estas medidas, mas já há quem tenha dado passos nesse sentido, como “a criação da primeira Comunidade de Energia Renovável pela Coopérnico, cooperativa portuguesa de energias renováveis, em conjunto com a Junta de Freguesia de Vila Boa do Bispo”, no distrito do Porto, indica a Zero.

Comunidades de Energia Renovável pela Coopérnico

O projeto Comunidade de Energia Renovável tem como objetivo, “promover o modelo cooperativo de implementação e utilização de energia renovável num dado território e deste modo servir de exemplo a outras autarquias”.

A política energética portuguesa tem que passar a incluir os cidadãos, salvaguardando a sustentabilidade ambiental, não podendo falhar perante a emergência climática que estamos a enfrentar!

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

16 COMENTÁRIOS

  1. Só dou credibilidade a este sistema quando quando o contador da EDP for bidirecional, incrementa no consumo e decrementa na produção. Porque raio será a EDP a ficar com o rendimento do meu investimento? Não pago já a ” taxa do contador”?

  2. Quem serão os donos das empresas que constroem e instalam os painéis solares?
    Já agora, será mais barato produzir electricidade a partir do Sol ou pelo contrário, contas feitas sai mais caro?
    è que a capacidade de produção de painéis solares ou células solares como gosto de chamar, é limitada ao nível da luz disponível e para se poder acumular a energia ganha e não consumida em dias solarengos obrigaria a uma bateria de baterias extremamente caras, que tem um tempo limitado de vida, assim como os próprios painéis que vão eficiência ao longo dos anos, obrigando-os a ser substituídos.
    É mais um grande negócio acredito, a poupança passa por utilizar iluminação mais eficiente e construir casas com melhor isolamento de modo a poupar energia para aquecimento ou arrefecimento.

  3. Meu caso tenho painéis solares mas muita da minha produção vai para o lixo como e preciso tanta burocracia para vender a rede acabo por desperdiçar assim como eu muita gente pensa oesmo

    • No caso das nossas instalações, a energia produzida é normalmente bem aproveitada.

      Normalmente instalamos painéis e baterias, e as pessoas ficam mais independentes da rede eléctrica.

      Se gostar do conceito, talvez possamos ajudá-la a ser mais autónoma e a aproveitar melhor a energia da rede.

      Cumprimentos sinceros.

      Nuno Santos
      RegisConquista – Energia, Lda

  4. Existiu apoio para a colocação de painéis solares fotovoltaicos até Abril do corrente ano. A colocação na minha moradia só foi concluída no início de Agosto.
    Fiquei a saber que já não podia concorrer a esse fundo ambiental por ter passado o praso, onde está a justiça e a igualdade.

    • Estou a ver que isto é como os subsídios (3000€) para a compra de carros elétricos: Só para os primeiros do ano até ao montante X. É obvio que isto tresanda a corrupção e compadrio! Um cidadão comum compra às cegas sem saber se tem direito ao tal subsídio mas os do compadrio sabem!

  5. Esse tem sido um dos problemas deste sistema. A mania do governo alterar as regras a toda a hora causa demasiada incerteza e aumenta o desinteresse neste tipo de investimento. De qualquer forma, não esquecer que em caso de falta em sua casa, terá de ser a rede a garantir o abastecimento.

  6. E que tal baixar o iva para a compra de tudo o que esteja relacionado com energia solar, o mais provável é aproveitarem a obrigatoriedade e aumentar ainda mais os custos

  7. Concordo, embora os produtores de energia solar tenham sido vigaruzados pela DGEG ao ficarem preços de 0.03 cts para a microprodução forçando a passagem para o novo sistema, onde a energia não usada é entregue gratuitamente à EDP (chinesa).
    Chama-se a isto mudar as regras a meio do jogo.
    O estado não é pessoa de bem.

      • Temos instalações junto ao mar.

        Tivemos problemas com aerogeradores domésticos, que necessitavam de reparação regulares, mas todos os nossos sistemas fotovoltaico fixos funcionam bem desde 2008 nas mesmas localizações.

        Passaram 14 anos, as garantias dos equipamentos já acabaram há muito tempo, e tudo continua a funcionar.

        Devo dizer que os inversores que usámos na altura eram europeus. Hoje em dia mantemos o mesmo conceito, em detrimento dos inversores asiáticos.

        Cumprimentos sinceros.

        Nuno Santos
        RegisConquista – Energia, Lda
        91 707 67 40

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui