Carros elétricos - Autonomia e as baixas temperaturas

Prepare-se para uma verdadeira surpresa, caso esteja a pensar viajar com o seu carro elétrico até destinos de neve como a Serra da Estrela, os Pirenéus ou a Serra Nevada. Com temperaturas baixas, as baterias dos veículos elétricos podem perder até 41% da sua capacidade!

Ora, isto talvez não seja novidade nenhuma para si. Afinal, tudo o que trabalha a pilhas ou acumuladores em temperaturas negativas tende a perder maior capacidade. Exemplo disso são os relógios e os telemóveis.

É normal as baterias dos carros elétricos perderem capacidade?

A explicação para este fenómeno acontecer é que qualquer bateria depende das reações químicas que acontecem no seu interior, onde os eletrões migram de um elétrodo para outro. Não pense que é uma cabala contra os automóveis elétricos!

Desta forma, quando as temperaturas estão mais baixas, essas reações tornam-se mais lentas e, por sua vez, reduzem a capacidade da bateria em fornecer energia.

Estudo mostra a relação entre a temperatura e a autonomia

Recentemente, a Associação Automóvel dos Estados Unidos (AAA) partilhou um estudo a demonstrar esse fenómeno. Para uma temperatura de 20º Fahrenheit (cerca de -6,7ºC), um automóvel elétrico perde cerca de 41% da sua capacidade de autonomia, caso recorra a ventilação, ao aquecimento ou ar condicionado. Na realidade, os veículos elétricos perdem autonomia como a necessidade de manter uma temperatura confortável no interior do automóvel “rouba” a eletricidade que seria destinada para impulsionar o veículo.

Este estudo ainda concluiu que, quando comparado com uma temperatura ambiente de 24ºC, a bateria de um automóvel elétrico perde cerca de 12% de autonomia, caso opere a -6,7ºC. Por outro lado, se a temperatura exterior estiver nos 34ºC, a autonomia é reduzida em 4%.

Carros elétricos - Autonomia VS Baixas Temperaturas
Carros elétricos – Autonomia VS Baixas Temperaturas

Mas, no Verão, apesar das temperaturas estarem elevadas, também existe quebras de autonomia em torno de 17%, visto que é utilizado o ar condicionado para projetar frio. Em termos energéticos, a produção de frio é menos exigente do que a produção de calor.

Modelos de carros elétricos utilizados no estudo

A equipa da AAA analisou cinco veículos elétricos: BMW i3S, Tesla Model S 75D, Nissan Leaf, Chevrolet Bolt e Volkswagen e-Golf.

Percorrendo 384 km com temperaturas de  24ºC, o modelo Tesla Model S 75D, a sua autonomia baixou para 341 km. Após ativar o aquecimento, diminuiu para 238 km. Ora, feitas as contas e, embora a Tesla conteste os resultados deste estudo, foram menos 146 km de autonomia.

Os modelos Chevrolet Bolt e BMW i3S tiveram um pior desempenho. O modelo da BMW perdeu 50% em temperaturas baixas e 21% em temperaturas elevadas. Por outro lado, o modelo do Chevrolet perdeu 46% em tempo frio e 19% em temperaturas elevadas (34ºC).

O Nissan Leaf é o automóvel elétrico que lidou melhor com as situações adversas, perdendo 31% (temperaturas baixas) e 12% (temperaturas altas). Em relação ao Volkswagen e-Golf que perdeu 37% em tempo frio e 18% em tempo quente, o Model S esteve bastante próximo (38% e 16%, respetivamente).

RECOMENDAMOS TAMBÉM...

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

1
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

1 Comentários da discussão
0 Respostas aos comentários
1 Seguidores
 
Comentário mais ativo
Discussão mais ativa
1 Comentários dos autores
  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Carlos Rufino

Se eu estou consumindo energia ou combustível para manter a temperatura agradável dentro do carro, eu não considero isso perda, mas sim gasto, é o preço a pagar por ter conforto.