Venezuela anuncia que vai incrementar o controlo e racionamento de energia

venezuela-chavez-energia

Governo Venezuelano propõe redução do consumo energético entre 10% e 20% à população, sob pena de multas de até 200% no valor total das facturas.

As autoridades venezuelanas anunciaram na passada quinta-feira (14/7) que o racionamento de energia pelo qual passa o país será intensificado.

A população terá de reduzir o consumo de energia, em média, entre 10% e 20%. Do contrário, serão aplicadas multas de 75% a 200% no valor final das contas. De acordo com o governo, a medida é fundamental para evitar o colapso do sistema.

Pelas regras, os consumidores residenciais que reduzirem o consumo médio entre 10% e 20% terão um desconto de 25% a 50% na factura. Os cálculos do consumo terão como referência os períodos das 11h às 16h e das 18h às 22h.

A decisão foi criticada pela oposição, que afirma que as medidas estão sendo tomadas como resultado da falta de um plano de investimentos no sector eléctrico.

Segundo analistas, os problemas estruturais relacionados à distribuição de energia na Venezuela são antigos. Desde 2009, a crise energética tem se agravado no país. No ano passado, o presidente Hugo Chávez chegou a decretar estado de emergência e medidas de racionamento.

Os problemas são causados principalmente pela falta de chuva e o baixo nível das águas do Rio Caroní, atingindo as hidroeléctricas, principalmente a de Guri – responsável pela produção de 72% da energia eléctrica consumida no país.