Subsidios em 2011 para Energias Renováveis custam 170 euros por Consumidor

dinheiro euros

Cada Consumidor irá pagar cerca de 170 euros só para os subsídios concedidos às Energias Renováveis.

Tem vizinhos a vender Energia Eléctrica no regime de micro-produção através de painéis solares fotovoltaicos ou micro-eólica? Se tem, saiba que o seu dinheiro é o que paga a energia vendida pelo vizinho.

Muitas são as pessoas que desconhecem esta realidade, até porque apenas quem possui capital consegue investir num negócio deste género.

Se quer ganhar algum dinheiro extra no fim do mês instale uma microturbina eólica na sua casa ou no seu prédio e alguns painéis fotovoltaicos para produzir energia eléctrica.

Por cada megawatt hora (MWh) produzido por si o sistema eléctrico paga-lhe €587 euros. Um excelente negócio pois por cada MWh que você compra à rede paga apenas €72,4 euros.

A microprodução de energia renovável é actualmente a forma mais bem paga de todo o sistema electroprodutor em Portugal.

Mas como não há bela sem senão, para manter a actual política de incentivos à Produção em Regime Especial (que inclui renováveis e cogeração) os consumidores de electricidade pagam todos os anos um sobrecusto, reflectido na factura que chega a casa, que só em 2010 ascenderá aos €805 milhões.

E O FUTURO?

Para o próximo ano esse valor subirá acima da fasquia dos mil milhões (€1029, para sermos mais precisos). Se dividirmos este custo pelos cerca de 6 milhões de consumidores em Portugal, então cada um pagará cerca de €171 em 2011 (€14,25 por mês) para subsidiar as energias renováveis.

Mas não é tudo. Estes são os números para o actual cenário em que Portugal tem instalados 3841 MW de eólica. Só que os objectivos definidos pelo Governo apontam para cerca de 7000 MW de eólica e 1500 MW de solar fotovoltaica.

“Isto é completamente surreal, não faz o mínimo sentido. Então se, com menos de metade daquele valor, já vamos pagar €805 milhões em 2010, imagine-se o que nos poderá vir a custar esta loucura das renováveis daqui a dez anos”, alerta Mira Amaral, ex-ministro da Indústria e Energia.

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ELECTRICIDADE (euros por cada MWh)

  • MICROGERAÇÃO – 587;
  • FOTOVOLTAICA E ENERGIA DAS ONDAS – 344.77;
  • BIOMASSA – 113.40;
  • BIOGÁS – 111.20;
  • EÓLICAS – 91.07;
  • MINI-HÍDRICAS – 88.70;
  • COGERAÇÃO – 83.80;
  • RESÍDUOS URBANOS SÓLIDOS – 80.90;
  • CARVÃO – 50.90;
  • GÁS – 52.50.

E agora falta o Custo real a cada Consumidor – 72.42 euros/MWh

Estes valores parecem irreais, e realmente são a longo prazo, é pena que Portugal e seus governantes apenas dêem conta dos erros tarde demais.

E QUEM ESTÁ A GANHAR COM TUDO ISTO?

As grandes empresas, pois são apenas elas que conseguem as licenças para os grandes projectos. Até mesmo na microprodução existe um monopólio quase total por parte de grandes empresas.

Hoje numa pesquisa aleatória no Google onde encontrei uma empresa denominada “YUNIT”, fui ver a quem pertencia e imaginem “Uma empresa do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Banco Espírito Santo e Portugal Telecom”.

Parceiros financeiros da YUNIT? Tão somente “Banco Popular, BES, BPI, Santander Totta, Caixa Geral de Depósitos, Montepio Geral, Millennium BCP”.