Painéis solares fotovoltaicos que geram energia com a chuva

paineis-solares-fotovoltaicos-chuva

Um novo tipo de células solares fotovotaicas desenvolvidas por uma equipa de cientistas em Qingdao na China pode ter mudado o modo como usamos os painéis solares, e isso pode acontecer num futuro bem mais próximo do que o que se pensa.

Os painéis solares fotovoltaicos permitem a produção de energia elétrica através da energia solar e desta forma pode-se tornar por exemplo uma habitação autónoma e isolada da rede elétrica tradicional. Mas esta tecnologia sempre teve a grande desvantagem de os painéis solares apenas produzirem energia quando existem boas condições climatéricas.

Num dia chuvoso e ventoso não era até hoje possível obter um bom rendimento do painel fotovoltaico, sendo que nestas alturas era necessário recorrer a sistemas de armazenamento de energia.

Enquanto ao longo destes últimos anos as empresas e engenheiros andaram a melhorar a eficiência dos painéis solares e as capacidades de armazenamento nunca pensaram em como produzir energia com estes painéis em situações climatéricas adversas.

Os cientistas chineses conseguiram dar a volta a essa situação, produzir energia a partir das gotas da chuva.

Pode parecer um contra senso, porque chuva faz lembrar nuvens que tapam o sol, e sem sol as foto células, supostamente, não produzem energia. Mas esta nova tecnologia vem revolucionar o mercado de painéis solares e fazer com que a chuva que cai nas placas possa gerar energia elétrica.

Estes novos painéis irão produzir energia quer com os raios solares, quer com a chuva em pleno inverno.

Estes painéis solares estão a ser desenvolvidos em Qingdao na China. Ao contrário da maioria das células solares já existentes no mercado, estas têm uma particularidade: são fabricadas apenas com uma única folha de grafeno. A parte inteligente é que a água da chuva não é pura, pois contém outros compostos como o amónio, cálcio e sódio, que se tornam em iões quando estão numa solução.

Quando esta água se deposita na camada de grafeno, cria aquilo a que é chamado de “pseudocondensador” (pontos de carga em desequilíbrio em que os eletrões são enviados de um lado para o outro). A carga em desequilíbrio é basicamente apenas uma diferença de potencial, o que significa que os investigadores podem utilizar o processo para capturar energia.

Membrana da folha de grafeno
Membrana da folha de grafeno

No entanto nem tudo está bem ainda…

Este painel solar possui apenas uma eficiência de 6,5% em boas condições solares, valor muito reduzido quando comparado a outras tecnologias de painéis solares que rondam os 20% de eficiência.

Temos por exemplo o fabricante Panasonic que afirma que desenvolveu o painel solar fotovoltaico mais eficiente de sempre com uma conversão total de 22.5% da luz solar.

Quando a energia elétrica é produzida pelas gotas de chuva, o sistema apenas consegue gerar tensão elétrica que ronda valores de microvolts.

Contudo não se deve menosprezar esta ótima ideia, esperemos é que seja aperfeiçoada de modo a ser mais promissora num futuro próximo.