Nova sede da Siemens consegue ser auto-suficiente em energia quase em 100%

sede-siemens-eficiencia-energetica

A nova sede da Siemens em Munique é auto-suficiente em quase 100%. Situada na icónica Wittelsbacherplatz, a nova sede inaugurada no passado dia 24 de junho é um complexo com cerca de 45.000 metros quadrados, com escritórios moderníssimos e com um plano de sustentabilidade incomparável.

Em comunicado, a Siemens, refere que a nova sede, da autoria do gabinete de arquitetura dinamarquês Henning Larsen Architects, conjuga “em plena harmonia a tradição da cidade com a modernidade e as características técnicas de sustentabilidade e eficiência que são apanágio da Siemens”.

O edifício terá um espaço aberto a todos os cidadãos e está ainda preparado para empregar cerca de 1200 colaboradores.

A nova sede em comparação com o edifício anterior gastará menos 90% de eletricidade, menos 75% de água e reduzirá em 90% as emissões de dióxido de carbono.

O tamanho grande das janelas permitirá que a luz solar ilumine  grande parte do edifício. O aquecimento e arrefecimento do edifício ficará a cargo de um sistema de energia geotérmica, em que cerca de 100 mil litros de água são bombeados por hora ao longo de 70 quilómetros de canos na fundação do complexo permitindo aquecer ou arrefecer todo o edifício, consoante as necessidades.

As águas da chuva caídas sobre o telhado serão aproveitadas para descargas sanitárias ou outros fins. Poderão ser recolhidos até 1,5 milhões de litros de água pluviais.

Ainda no telhado do edifício está instalado um sistema fotovoltaico capaz de gerar aproximadamente um terço da energia necessária.

Somam-se ainda as tecnologias da própria empresa como a plataforma Desigo que recolhe e analisa dados gerados pelo aquecimento primário, pela ventilação e sistemas de refrigeração distribuídos por todo o edifício e que automaticamente será capaz de otimizar as funções destes sistemas.

É cada vez mais crescente a preocupação das empresas em criar mecanismos sustentáveis. A Siemens é um exemplo desta preocupação e o compromisso com o ambiente atinge uma proporção incomparável com o edifício a ser auto-suficiente em quase 100%.

Recorde-se que a Siemens traçou objetivos ambiciosos no que diz respeito às emissões de dióxido de carbono. A Siemens pretende ser a primeira grande empresa a ter uma pegada de carbono neutra até 2030. Antes disso, e até 2020 a empresa pretende reduzir as suas emissões de dióxido de carbono para metade.

A obra que começou a ser construída em 2010 e que está integrada na zona histórica maior cidade da Baviera é assim um dos edifícios mais sustentáveis do mundo e proporcionará certamente um dos ambientes mais inspiradores para os seus trabalhadores.

A nova sede será certificada com o selo de Platina pelo Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) e pelo homólogo German Sustainable Building Council.