Mangualde com recolha selectiva de Óleos Alimentares usados

oleos alimentares usados mangualde

Com a recolha de Óleos Alimentares Usados não só evita a poluição como está a transformar o óleo em Biodiesel, uma fonte renovável de energia que diminui as emissões de CO2.

O objectivo deste projecto é garantir a correcta gestão deste resíduo, disponibilizando à população um sistema de deposição dos OAU, que usualmente são produzidos em casa.

Até ao final do ano, serão instalados cerca de 30 oleões, com capacidade de 240L adequados à recolha de OAU, de acordo com as necessidades do concelho: oito na freguesia de Mangualde, dois nas freguesias de Chãs de Tavares, Cunha Baixa, Espinho, Fornos de Maceira do Dão e Santiago de Cassurrães e um nas restantes freguesias.

Os equipamentos, instalados na via pública junto aos ecopontos, já começaram a ser colocados na freguesia de Mangualde:

  • Largo do Outeiro (Santo André)
  • Av. S. Francisco
  • Bairro de São João
  • Quinta da Sampaia
  • Bairro da Imaculada Conceição
  • Junto ao Mercado Municipal
  • Rua Sebastião Alcântara
  • Rua Gil Vicente (Bairro do Mordomo)

Ainda no final deste mês serão colocados mais oito contentores em Chãs Tavares, Corvaceira, Cunha Baixa, Abrunhosa do Mato, Fagilde, Fornos de Maceira do Dão, Contenças de Baixo e Santiago de Cassurães. Em Outubro vão ser instalados equipamentos em Tibaldinho, Cunha Alta, Gandufe, Água Levada e Freixiosa.

Abrunhosa-a-Velha, Lobelhe do Mato, Mesquitela, Moimenta de Maceira do Dão e Póvoa de Cervães receberão os oleões no mês de Novembro. Os restantes quatro, Quintela de Azurara, Casais, Travanca de Tavares e Vila Cova de Tavares, serão instalados no mês de Dezembro completando, assim, este processo.

A autarquia mangualdense pretende, desta forma, potenciar a recolha selectiva de óleos usados no Município, dando um destino ambientalmente correcto a um resíduo que, actualmente, na maior parte dos casos, é vertido para as redes de esgotos.

Em Portugal, face à legislação actual (Decreto-Lei nº 239/97 de 9 de Setembro), o produtor é responsável pelos resíduos produzidos e pelo destino final dos mesmos. Em caso de incumprimento, poderá incorrer no pagamento de uma coima que poderá ir até aos €4.4989,20.

É de referir que a instalação destes equipamentos resulta do protocolo de prestação de serviços de recolha selectiva de Óleos Alimentares Usados (OAU), assinado no passado mês de Abril, entre o Município de Mangualde e a Biosys – serviços de ambiente, lda.

Neste protocolo a Biosys ficou incumbida de efectuar: fornecimento de oleões de exterior, de acordo com o previsto no artigo 8º, do Decreto-lei nº267/2009 de 29 de Setembro: recolha selectiva e encaminhamento de OAU, de produtores do sector industrial, hotelaria, restauração (HORECA) e doméstico, do Município de Mangualde; manutenção regular e limpeza periódica de oleões, sendo que os oleões são propriedade da Biosys.

Os oleões agora em colocação têm sempre o objectivo dos munícipes depositarem o Óleo Alimentar Usado (OAU), acondicionado em vasilhame, dentro do oleão.

A recolha será efectuada mensalmente, salvo se se verificar a necessidade de aumentar a periodicidade da mesma. Depois de separado, o resíduo (OAU) será encaminhado para operador de resíduos devidamente licenciado, assim como todo o vasilhame utilizado no acondicionamento do mesmo.