Investigador do MIT produz Energia Eléctrica através da Fotossíntese

Energia Electrica atraves da Fotossintese

Com apenas uma garrafa e meia de água, o sistema pode abastecer o sistema eléctrico de uma casa por um dia inteiro.

Um investigador do MIT – Massachusetts Institute of Technology – inventou uma espécie de folha artificial, que consegue simular o que as plantas fazem e produzir energia, neste caso eléctrica, a partir de água e luz do Sol.

Daniel Nocera, investigador da área de química e energia, conseguiu desenvolver um tipo de sistema que o homem procura imitar há muito tempo, a fotossíntese das plantas.

As “folhas artificiais” de Nocera conseguem quebrar as moléculas de água apenas com a energia da luz do Sol, produzindo energia eléctrica, explica o site Dvice.

As “folhas” foram feitas de silício, embebidas numa solução proprietária de cobalto e fosfato e possuem uma eficiência maior do que as células de energia solar actuais.

httpv://www.youtube.com/watch?v=CT3SelX-dVY

.

Duas informações divulgadas durante a apresentação permitem algum entusiasmo com o feito.

A primeira é que o protótipo funcionou durante 45 dias no laboratório sem qualquer queda na quantidade de energia produzida. Protótipos anteriores deixam de funcionar totalmente em alguns poucos dias.

A segunda é que, ao contrário de vários protótipos de folhas artificiais já fabricadas, que usam catalisadores caros, como o ródio, a equipe do Dr. Nocera usou catalisadores de níquel e cobalto que, se não são exactamente baratos, também não são proibitivamente caros.

A folha artificial quebra as moléculas da água em seus dois elementos constituintes, oxigénio e hidrogénio.

Os dois gases são levados para uma célula a combustível, responsável para produção da electricidade.

O sistema composto, que os cientistas agora apresentaram, baseou-se em um trabalho anterior do grupo no desenvolvimento de catalisadores para quebra das moléculas de água.

.

APRESENTAÇÃO DO DR. DANIEL NOCERA DO MIT

httpv://www.youtube.com/watch?v=KTtmU2lD97o

.

Hoje em dia, já existem aparelhos que conseguem produzir energia eléctrica quebrando moléculas de água, mas eles são caros e precisam de água pura para isso. A grande vantagem da técnica de Nocera é que a água utilizada pode ser suja, como águas provenientes da chuva e outros sistemas.

Segundo ele, o mundo consome hoje 14 terawatts de energia eléctrica por dia e, em 2050, este número pode aumentar para 16 TW.

Nocera afirma que para suprir este consumo daqui a 40 anos, utilizando este tipo de tecnologia só seria preciso uma piscina com água – para o mundo inteiro! Impressionante não?

O investigador juntou-se ao Grupo Indiano Tata, para a produção e comercialização de um sistema que utilize esta tecnologia.

.

“Nós esperamos ter um protótipo em um ano e meio”, conta Nocera.

GRUPO MIT DR. DANIEL NOCERAhttp://web.mit.edu/chemistry/dgn/www/index.shtml

COMPARTILHAR