Energias renováveis permitem poupança de 825 milhões de euros

Energias renováveis permitem poupança de 825 milhões de euros

As energias renováveis permitiram uma poupança de 721 milhões de euros na importação de gás natural, carvão e fuel destinados à produção de electricidade, em 2011.

Portugal conseguiu ainda evitar o pagamento de 104 milhões de euros em licenças de emissão de CO2, elevando assim o valor da poupança para 825 milhões de euros, mais 195 milhões do que o total alcançado em 2010.

O responsável da APREN, que falava na sexta-feira no final de um encontro de empresários do sector, na Exposalão, na Batalha, acrescentou que “as energias renováveis [eólica, solar e pequena hídrica, entre outras] são competitivas”.

Essa competitividade, segundo António Sá da Costa, será ainda maior enquanto “o valor do petróleo oscilar entre os 80 e 100 dólares o barril. E os analistas dizem que nunca mais baixará destes valores”.

No encontro, em que participaram 60 empresários, foram destacados o “ataque” dirigido às energias renováveis, a necessidade do comunicar melhor e de apostar na educação dos mais jovens para a importância do sector. “Esse ataque existe, não o vou negar. Está fundamentado num conjunto de mentiras e comparações que são feitas de uma forma errada”, referiu o presidente da APREN.

Em Portugal, 25,1% da electricidade já é de origem renovável. E se se incluir as grandes barragens, este valor sobe para 46,8%. “Isto não deixa espaço para a entrada de novas entidades, porque o consumo está satisfeito”, explicou.

Este ano, o peso das energias renováveis na factura da electricidade será de 4%, “dois em cada 50 euros”, destaca António Sá da Costa, para demonstrar que o impacto é menor do que pensa a opinião pública.

FONTE: CORREIODAMANHA