EDP vai compensar financeiramente consumidores lesados em tarifas Bi e Tri-Horárias

Cerca de 480 mil clientes da EDP com tarifas bi-horária e tri-horária estão a ser lesados pela empresa devido a problemas com os contadores, que não funcionam com a hora e/ou datas correctas. O problema é denunciado pela Deco, que estima em três milhões de euros os prejuízos para os consumidores.

A empresa admite duas causas para estes erros que, pelas suas contas terão afectado 30 mil contadores – mas a estimativa da Deco aponta para 480 mil clientes prejudicados, que terão pago mais do que deviam porque a hora ou a data dos contadores estavam errados.

A Deco fez um estudo em Março e em Abril, depois de ter recebido dezenas de reclamações de clientes com tarifas bi e tri-horária. A análise aos contadores mostrou desfasamentos face à hora real. Em 12% dos casos excediam a meia hora e em dois casos chegaram mesmo a duas horas.

A Deco calcula que a EDP tenha cobrado indevidamente mais de três milhões de euros e exige agora que os clientes sejam indemnizados e os contadores corrigidos.

.

ERSE cria mecanismo de compensação financeira para consumidores prejudicados

De acordo com um comunicado divulgado pela ERSE nesta terça-feira, foi realizado um estudo aos contadores de electricidade de clientes com tarifa bi-horária, no qual se detectou “um conjunto de anomalias nos respectivos relógios”.

Estes resultados “justificam a criação de um mecanismo de intervenção e de compensação financeira que salvaguarde, de forma absoluta, os interesses dos consumidores”, indica também a entidade reguladora.

A ERSE informa que há duas semanas pediu um parecer ao Conselho Tarifário sobre “uma proposta de orientações técnicas e de compensação aos consumidores com tarifa bi-horária, afectados por esta anomalia de contagem”, acrescenta o comunicado.

O Conselho Tarifário representa empresas e consumidores com interesses no sector eléctrico, e deverá também dar parecer sobre “novas regras para a correcção das situações detectadas, impedindo que as mesmas voltem a ocorrer no futuro”.

Falta apenas o parecer do Conselho Tarifário para que a ERSE tome uma decisão “sobre os procedimentos que devem ser seguidos, bem como sobre as compensações a reembolsar pela EDP a todos os consumidores afectados”.