Desenvolvimento sustentável em energias renovaveis

energias-renovaveis-mundo

conceito de desenvolvimento sustentável é, normalmente, definido como o desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração actual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades.

A energia sustentável é então uma necessidade imediata para manter a atual sociedade, assim como as gerações futuras em termos energéticos.

Representa a possibilidade de as populações presentes e futuras atingirem um nível satisfatório de desenvolvimento social e económico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais.

O desenvolvimento sustentável assenta em três eixos: ambiental, social e económico – e só pode ser alcançado se estes três eixos evoluírem de forma harmoniosa.

A Organização das Nações Unidas (ONU) desempenha hoje um papel fundamental no controlo dos danos ambientais, sendo o desenvolvimento sustentável uma preocupação constante nos encontros que promove.

Dez anos passados sobre a Cimeira da Terra, que se realizou no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992, teve lugar em Joanesburgo, África do Sul, em 2002, a Cimeira Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável.

Em Joanesburgo reafirmou-se o desenvolvimento sustentável como um tema central da agenda internacional. O conceito foi reforçado e alargado, estabelecendo uma ligação mais estreita entre pobreza, ambiente e a gestão dos recursos ambientais.

Os governos presentes estabeleceram compromissos e metas concretas, tendo em vista o alcance efectivo dos objectivos do desenvolvimento sustentável.

As questões da energia e do saneamento básico foram as que mais polémica levantaram, mas foram conseguidos acordos e consensos de maior impacte que os alcançados em encontros anteriores.

Na Cimeira de 2002 foi, ainda, dado o relevo necessário para que a sociedade civil reconheça o papel-chave que desempenha na implementação das medidas propostas.

FONTE: INSTITUTO DO AMBIENTE