China apresenta queixa contra UE por estímulos a Energias Renováveis

celula-painel-solar

A China apresentou hoje uma queixa na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a União Europeia, por subvenções concedidas ao setor de energias renováveis.

Pequim, uma das grande exportadora de painéis solares – argumenta que o apoio europeu ao setor contraria as regras internacionais de comércio.

A queixa foi feita contra a União Europeia, a Itália e a Grécia.

“A China argumenta que algumas medidas afetando o setor de produção de energias renováveis relativas ao programa de tarifas de compra garantidas, dos Estados membros da UE, são contrárias às regras da OMC”, explicou a fonte. Os chineses consideram que as políticas de estímulo prejudicam as empresas chinesas.

No dia 1º de novembro, Pequim anunciou a abertura de uma investigação para determinar os produtos ligados à fabricação de painéis solares, comprados pela China, se beneficiam de subvenções indevidas, em uma atitude que aumentou as tensões comerciais existentes entre os dois parceiros.

O país também questiona a performance europeia em outros setores como o automobilístico e o siderúrgico.

A decisão de hoje pode também ser uma resposta à abertura de uma investigação anti-dumping, por parte de Bruxelas, sobre os painéis solares e células fotovoltaicas de origem chinesa, a pedido do EU ProSun, um grupo de fabricantes europeus do produto.

Os fabricantes chineses de painéis solares, líderes mundiais do setor, hoje enfrentam um grave problema de excedentes de produção, devido às dificuldades económicas na Europa e nos Estados Unidos.

Após a decisão europeia, em setembro, Pequim afirmou que eventuais barreiras aos fabricantes chineses prejudicaria as duas parts e também o desenvolvimento das energias limpas.